04 fevereiro 2013

Desercarne e Provação Coletiva


por Lena Lopez 

A morte é difícil de ser enfrentada, pois é vista como mistério, muitas vezes como um equívoco ou injustiça de Deus. Todos nós temos compromissos perante as Lei que regem o Universo.
Quando alguém morre, nos sentimos tomados por um sentimento de perda e dor, pois gostamos daquele pessoa que nos deixou e desejávamos que continuasse vivendo conosco. Porém, a morte, juntamente com o nascimento, é a única coisa certa na vida, nascemos e um dia morreremos. Além disso, a morte está entre os acontecimentos normais da existência de todos, partem jovens e velhos, sadios e enfermos, justos e injustos. 
Somos criados para o entendimento da morte, conforme o nosso entendimento religioso, acreditamos na morte como uma separação definitiva e dolorosa e um possível destino, mal ou bom, para quem partiu e a partir disso envolvemo-la em mistérios, dor e dúvidas, pois acreditamos que vivemos uma única vez.
A morte deve ser tratada como natural e antes de ser um fim, um novo recomeço e uma volta aos laços de origem, desse modo, nos tornamos capazes de entender que a morte, é o encerramento de uma missão, de um aprendizado e que outras oportunidades virão, novas missões, novos aprendizados. Começamos a entender que aquela pessoa que partiu, terminou a sua missão conosco, que é chegada a hora de prosseguirmos sozinhos, pois isto nos é necessário. 
Por outro lado, a Lei de Causa e Efeito, rege a vida e a morte de maneira sublime, sem deixar rastros à injustiça e dá a cada um o que lhe é de necessidade e merecimento, na medida certa para o seu aprendizado. Nesse sentido, a morte torna-se uma lição, tanto para os que se vão e para os que ficam.
As grandes comoções que ocorrem na vida trazem sempre enormes perguntas, por parte daqueles que desconhecem a “Lei de Causa e Efeito” e as possibilidades de vidas sucessivas. Por isto, nos momentos de dor, confusão mental e de dúvidas terríveis, questiona-se o próprio Criador: Por que Ele permitiu uma coisa dessas?
Esses acontecimentos, chamados catástrofes ou tragédias, como por exemplo, acidentes aéreos, marítimos, rodoviários, ferroviários ou incêndios, atos terroristas, que ocorrem e vitimam uma quantidade ou grupo de pessoas, muitas delas sem se conhecerem entre si, com famílias inteiras, uma cidade inteira ou até em uma nação, não são punições divinas. Muitas vezes sabemos que em eventos assim, há pessoas de longe, que não deveriam estar naquele lugar, mas estavam no lugar errado e na hora errada. Vemos, ouvimos e sabemos, que muitos sucumbiram, que muitos foram capazes de atos heroicos e como heróis se juntaram ao que sucumbiram no evento, outros estavam naquele lugar para se salvarem e para salvarem vidas. Damos o nome a isso de destino e fatalidade, seja qual for a razão que originou o evento. Não se pode negar que possa haver a fatalidade, pois ela também acontece algumas vezes.  No entanto, ao que se refere à mortes em grande número, em um mesmo evento, isso não é o mais comum. Geralmente são resgates coletivos que várias pessoas, juntas, precisam passar, tanto as que morreram ou as que sobreviveram a ele.
Se analisarmos esses fatos unicamente pelas causas humanas, poder-se-ia chegar à conclusão da má sorte ou azar. Entretanto, quando se compreende que no evento se agrega a lei de causa e efeito e o princípio das vidas sucessivas, tudo toma um outro sentido, passamos a entender que nessas mortes em grande número, há um encontro marcado de Espíritos que foram protagonistas de equívocos em outras passagens e que na atual estada na Terra, estão zerando as suas pendências.
Toda ação que praticamos, boa ou má, recebemo-la de volta. O passado é a origem do nosso presente, ou seja, o que somos hoje é um reflexo do fomos ontem.Se o pensamento vale individualmente, por que não valeria coletivamente? A isto, damos o nome de provação coletiva.
A provação coletiva é a convocação de Espíritos encarnados no instante de uma tragédia ou catástrofe, participantes de mesmo delito ou semelhantes, praticados no passado longínquo. Pode-se citar como exemplos de delitos, as Cruzadas, a Inquisição, as Guerras, os extermínios em massa, os atentados terroristas e outros, uma enormidade de violências e absurdos praticados contra o ser humano, em que todos os participantes se envolveram e somente se livram das suas dívidas e responsabilidades, quitando-as.
Mas por que só agora, numa data tão distante? Perguntarão muitos. Simplesmente por que, como Espíritos em aprendizado, vamos adiando por várias encarnações as expiações, até que haja o entendimento necessário à respeito da importância desse tipo de resgate. Muitas vezes, quando há a compreensão, o próprio Espírito errante pede permissão para cumprir o que é necessário para seu adiantamento.
O importante é que o próprio Espírito assume, antes de reencarnar, um compromisso com o propósito de resgatar seus débitos. André Luiz, no livro Ação e Reação, deixa claro: “Nós mesmos é que criamos o carma e este gera o determinismo”.
Durante a hora do desencarne coletivo, a Espiritualidade Superior, com o conhecimento prévio dos fatos, providencia equipes de socorro para a assistência aos Espíritos que retornarão ao plano espiritual, dando-lhes a assistência imediata e confortadora, pois mesmo que o desencarne coletivo ocorra identicamente para todos, individualmente, a situação dos traumas e do despertar no plano espiritual, dependerá da evolução de cada um, mas nenhum fica sem amparo.
Há aqueles que escapam minutos antes dos eventos coletivos, por não precisarem passar por essa situação.   É por isso que muitos perdem o avião, o trem, o ônibus, ou por outro motivo qualquer não estavam presentes. Há aqueles que estavam presentes no evento, mas escapam "ilesos", pois necessitavam passar pela lição e repensarem. Há aqueles que estavam presente e escaparam com inúmeros ferimentos, quase ficaram à beira da morte, suas lições para repensarem necessitavam de maiores enfases.
Não cai uma só folha da árvore sem que Deus saiba! Daqui não sairás até que pagueis o último cetil! Com certeza, as mortes coletivas é generosidade de Deus para com seus filhos, pois permite-lhes o melhoramento e aperfeiçoamento através de sua renúncias e experiências na Terra, dando-lhes oportunidade para o aprendizado necessário.

4 comentários:

Claudio Branco Junior disse...

Essa questão ainda deve ser melhor estudada no meio espírita, pois na questão das expiações coletivas são levadas em conta apenas a situação cármica das vítimas. É evidente essa análise em casos de desastres naturais, como terremotos, tsunamis, etc... Mas em desencarnes coletivos onde há uma ação humana direta, como num atentado terrorista, negligências, crimes, etc, os agentes estariam trabalhando à serviço da lei de causa e efeito? Se as pessoas vítimas de uma atentado terrorista, por exemplo, já nasceram com esse "compromisso" marcado, para estarem reunidas no local do crime, o terrorista também estaria marcado desde o nascimento para cometer o ato?

Selma Nascimento disse...

Passando para visitar desejar uma boa semana.
Gostei post.
Estou esperando vc me visitar http://3fasesdalua.blogspot.com

Bjs

Selma

~^~ Lena Lopez ~^~ disse...

Querido Mano Cláudio, existe o Livre Arbítrio e os agentes causadores podem fazer uso dele, isto é, os eventos para resgate coletivo são programados dentro de um projeto espiritual para determinados espíritos, mas a causa serve também como fator de aprendizado. Todos os envolvidos adquirem para si lições, que refletem nas suas responsabilidades futuras.
De outro modo, os agentes causadores, podem ser afastados pela Espiritualidade, caso façam uso responsável de seu Livre Arbítrio. POr exemplo, um determinado espírito que estava designado a se envolver em um episódio de resgate, pode muito bem, durante a sua vida, adquirir conhecimento e responsabilidade, fazendo as suas escolhas de maneira apropriada e tornando-se merecedor da Providência Divina, a qual afasta-o do evento e a este evento dá uma outra origem, podendo até ser mudada para um desastre natural.
Deus não pune, mas ensina, se a lição foi aprendida antes do desenrolar dos fatos, muito justo é, para este espírito que se iluminou ser-lhe retirada as responsabilidades.
Abraços
Luz Espirita (Lena)

Anônimo disse...

NÃO NOS ESQUEÇAMOS DA REAÇÃO EM CADEIA. SE TODOS NO PLANETA RESPEITASSEM DEUS-NATUREZA-SER HUMANO- OUTRA SERIA A NOSSA SITUAÇÃO NO PLANETA. SE TODOS NÓS FIZÉSSEMOS COISAS COMO ELE QUER, COM CERTEZA OUTRA SERIA E PODERÁ VIR A SER A REALIDADE NO PLANETA. TEMOS QUE APRENDER MUITA COISA MESMO. FICO LENDO A SEM GRACEZA DOS ESPÍRITAS TENTANDO RESPONDER ÁS PESSOAS SOBRE CERTOS FATOS,MAS A VERDADE É NÓS MESMOS.SE TODOS SEGUÍSSEMOS A VONTADE DELE,TUDO MELHORARÁ.
LI EM UM SITE, QUE DEUS EVITOU DEZENAS DE TERREMOTOS E FURACÕES. ORA ESSA,SE FÔSSEMOS MUITO MELHORES,MUITO MAIS COISAS SERÍAMOS DIGNOS. VAMOS FAZER POR ONDE A NOSSA PARTE, COISAS BOAS ATRAEM COISAS BOAS. AMÉM.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...