01 março 2011

BIOGRAFIAS: Ernanine Guimarães Andrade

por Eugênio Lara
Hernani Guimarães Andrade é hoje uma unanimidade. Na área da Parapsicologia, Psicobiofísica, transcomunicação instrumental (TCI, comunicação com mentes extra-corpóreas através de aparelhos eletrônicos), é provavelmente o autor mais citado no Brasil e exterior.
Mas nem sempre foi assim. Se hoje, aos 86 anos, Hernani goza de tanto prestígio, no início de sua trajetória como pesquisador, parapsicólogo e escritor, amargou preconceitos, principalmente no movimento espírita.
A primeira vez que ouvi falar em Hernani foi em uma matéria da revista Planeta, especializada em temas espritualistas, onde aparece como pesquisador e parapsicólogo interessado em fenômenos paranormais, um dos poucos que no Brasil já realizava uma pesquisa sistemática neste campo tão minado. Li essa reportagem no começo dos anos 80; coincidentemente, logo após travar contato com a obra de Allan Kardec.
Soube de sua ligação com o Espiritismo através do filósofo espírita Herculano Pires, no livreto A Pedra e o Joio, onde o "Guarda Noturno do Espiritismo" tenta destroçar, somente na base do discurso panfletário e pouco filosófico, a tese hernaniana da teoria corpuscular do Espírito, nome também de seu primeiro livro, hoje esgotado, e que poucos conhecem. O livreto foi uma resposta enérgica de Herculano ao amigo Hernani, que realizou, segundo ele, uma tentativa de materializar, de corporificar o Espírito, algo completamente em desacordo com os princípios kardequianos.
Até tomar contato com a sua Teoria Corpuscular, considerava Hernani apenas como parapsicólogo, nunca como espírita. Sua coluna na Folha Espírita, Espiritismo e Ciência, atualmente assinada por Karl Goldstein, um de seus pseudônimos, veio demonstrar que os principios espíritas foram muito bem assimilados pelo engenheiro Hernani. Seu livro inicial se constituiu num projeto básico, projeto síntese de suas obras posteriores, hoje consagradas tanto no meio espírita como no ambiente dos parapsicólogos do mundo inteiro.
Todavia, o confronto unilateral de Herculano com Hernani, que preferiu continuar trabalhando sem alarde e sem responder à altura, lhe causou uma certa marginalização no meio espírita. Quando aparecia na TV, era apresentado como parapsicólogo, presidente do Instituto Brasileiro de Pesquisas Psicobiofísicas (IBPP), mas nunca como espírita. No movimento espírita, sua obra foi por muitos anos ignorada, apenas conhecida e aceita por poucos estudiosos.
Sua coluna na Folha Espírita, suas pesquisas inéditas no campo da parapsicologia e seus livros mudaram radicalmente esse cenário, conduzindo-o a uma condição que nenhum outro pesquisador parapsicológico conseguiu conquistar, ao menos no Brasil. Manteve contato com o fundador da Parapsicologia, Joseph Banks Rhine e é hoje uma referência mundial na área da reencarnação, TCI e poltergeist. Foi o introdutor no País do estudo da TCI. Atua como consultor inclusive no meio acadêmico na assessoria a mestrandos com teses acadêmicas e temáticas relacionadas à parapsicologia e ao Espiritismo. Através de intercâmbio firmado entre a USP e o IBPP em 1997, Hernani ajudou a formar a primeira turma de Pós-Graduação do Grupo de Pesquisas Psicobiofísicas da USP, em lato sensu, no campo da Integração Cérebro-Mente-Corpo-Espírito.
Criou o termo parapirogenia para designar os fenômenos de combustão espontânea. A exemplo de Ian Stevenson e do indiano Banerjee, pesquisou dezenas de casos que sugerem reencarnação. Lançado pela editora Pensamento, Reencarnação no Brasil tornou-se um clássico do gênero.
Desenvolveu a teoria do MOB, modelo organizador biológico, uma das teses mais articuladas e fundamentadas que surgiu no movimento espírita, um desdobramento do conceito de perispírito (envoltório do Espírito) elaborada por Allan Kardec no século XIX.
Tive a oportunidade de passar uma tarde com ele ao lado de outros companheiros espíritas, na sede do IBPP, quando ainda morava na Capital. Um lorde inglês reencarnado: elegante, modesto e bem-humorado. Quem o imagina sisudo, sério e de avental branco toma um choque. Um homem simples que nunca se preocupou em responder aos seus detratores. Passamos a tarde comendo bombom, conversando sobre TCI, reencarnação, ectoplasma gasoso e a sensitiva russa Bárbara Ivanova, que estava em turnê pelo Brasil. "Um docinho de coco", assim a definiu.
Quando vejo alguns "intelectuais" espíritas cheios de pose e de prosopopéias lembro imediatamente desse homem, que trabalhando incessantemente, no silêncio de suas idéias e estudos, mudou o contexto das pesquisas no campo da Psicobiofísica.
Hernani não poderia ficar de fora de qualquer listagem na eleição de grandes espíritas e pesquisadores do século. Sua contribuição inestimável para o progresso do Espiritismo e da cultura lhe conferem tranquilamente a condição de o maior pesquisador espírita da atualidade.

Principais obras

Teoria Corpuscular do Espírito
Parapsicologia Experimental
Psi Quântico
Morte, Renascimento, Evolução
Espírito, Perispírito e Alma
Reencarnação no Brasil
Transcomunicação Instrumental
A Morte - Uma Luz no Fim do Túnel

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...